Home Blog Artigos Os Direitos Humanos no Islamismo

Os Direitos Humanos no Islamismo

0
direitos humanos no islamismo

Os Direitos Humanos no Islamismo

Infelizmente, os preconceitos e desigualdades que atormentaram a raça humana continuam historicamente e são responsáveis ​​pelo incalculável sofrimento humano. É nesse contexto que o tema dos direitos humanos é especialmente pertinente.

O que constitui direitos humanos? Podemos chegar a uma compreensão comum dessas liberdades e, assim, garantir que estas sejam universalmente concedidas a todos os membros da sociedade? Essas questões foram objeto de documentos históricos como a Carta Magna, a Declaração Francesa dos Direitos do Homem, a Declaração Americana de Direitos e a Convenção de Genebra.

No entanto, é que essas questões também foram abordadas por várias tradições religiosas. O modelo islâmico de direitos humanos em particular é surpreendente em seu rigor, sua visão e sua relevância para os tempos modernos.

A contribuição do Islã para os direitos humanos é melhor apreciada quando vista em um contexto da história mundial, bem como as realidades dos tempos modernos. As desigualdades sociais, raciais, de gênero e religiosas continuam a existir. As disparidades econômicas e sociais resultaram na opressão das classes mais baixas; os preconceitos raciais foram a causa da subjugação e da escravização de pessoas com pele mais escura; As mulheres foram pesadas por atitudes machistas, e as atitudes generalizadas da superioridade religiosa levaram a uma perseguição generalizada a pessoas com diferentes crenças.

Ao considerar a questão dos direitos humanos e do Islã, é importante distinguir os direitos divinamente prescritos do Islã de possíveis interpretações erradas e má aplicação por seres humanos imperfeitos. Assim como as sociedades ocidentais ainda lutam contra o racismo e a discriminação, muitas sociedades muçulmanas lutam para implementar plenamente os direitos descritos no islamismo.

Os Direitos Humanos no Islã são uma Ordem Divina

A característica distintiva dos direitos humanos no Islã é que eles são o resultado natural de uma prática mais ampla de fé, ações e comportamentos sociais que os muçulmanos acreditam ser de ordem divina. O Sagrado Alcorão diz:

“Por certo, Allah ordena a justiça e a benevolência e a liberalidade para com os parentes, e coíbe a obscenidade e o reprovável e a transgressão. Ele vos exorta, para meditardes.” [Sagrado Alcorão 16:90]

Dignidade e Igualdade

Os direitos humanos no Islã decorrem de dois princípios fundamentais: dignidade e igualdade. A dignidade é um direito fundamental de todo ser humano, meramente em virtude de sua humanidade. O Sagrado Alcorão diz:

“E, com efeito, honramos os filhos de Adão e levamo-los por terra e mar e demo-lhes por sustento das cousas benignas, e preferimo-los, nitidamente, a muitos dos que criamos.” [Sagrado Alcorão 17:70]

Em relação à igualdade, o Sagrado Alcorão declara claramente:

“Ó homens! Por certo, Nós vos criamos de um varão e de uma varoa, e vos fizemos como nações e tribos, para que vos conheçais uns aos outros. Por certo, o mais honrado de vós, perante Allah é o mais piedoso. Por certo, Allah é Onisciente, Conhecedor.” [Sagrado Alcorão 49:13]

Portanto, o que distingue um ser humano do outro, à vista de Deus, é a sua piedade e medo Dele.

A diversidade da humanidade em muitas raças e etnias é um testemunho da majestade e da sabedoria de Deus. Portanto, a superioridade racial e a discriminação são proibidas no Islã e contradizem sua essência. Este conceito é exemplificado na seguinte tradição profética:

“Nenhum árabe tem qualquer superioridade sobre um não-árabe, nem um não-árabe tem qualquer superioridade sobre um árabe. Nem um homem branco tem qualquer superioridade sobre um homem negro, ou o homem negro, qualquer superioridade sobre o homem branco. Vocês são todos filhos de Adão, e Adão foi criado a partir de argila.”

Igualdade de Mulheres

Como a criação de Deus, as mulheres têm os mesmos direitos espirituais que os homens; ela é recompensada por sua oração e atos de caridade, mas ela também é levada em conta por suas ações, sejam boas ou más, nesta vida. O Sagrado Alcorão diz:

“E quem faz as boas obras, varão ou varoa, enquanto crente, esses entrarão no Paraíso e não sofrerão injustiça, a mínima que seja..” [Sagrado Alcorão 4:124]

Tanto os homens como as mulheres têm responsabilidades para com suas famílias e sociedades, como fica claro a partir do seguinte verso:

“E os crentes e as crentes são aliados uns aos outros. Ordenam o conveniente e coíbem o reprovável e cumprem a oração e concedem az-zakah, e obedecem a Allah e a Seu Mensageiro. Desses, Allah terá misericórdia. Por certo, Allah é Todo-Poderoso, Sábio.” [Sagrado Alcorão 9:71]

Sob as leis do Islã, as mulheres têm direito a possuir bens e empresas, realizar transações financeiras, votar, receber herança, obter educação e participar de assuntos jurídicos e políticos. O fato de que algumas sociedades muçulmanas nem sempre concedem às mulheres todas essas liberdades é um exemplo de como os seres humanos podem não ter implementado completamente a Vontade Divina.

Direito à Vida e à Segurança

O direito básico, que deve ser concedido a todo ser humano, é o direito à vida. O Sagrado Alcorão reconhece esse direito, como mencionado no seguinte verso:

“E não mateis o ser humano, que Allah proibiu matar, exceto se com justa razão. E quem é morto injustamente, Nós, com efeito, estabelecemos a seu herdeiro poder sobre o culpado. Então, que ele não se exceda no morticínio. Por certo, pela lei, ele já é socorrido.” [Sagrado Alcorão 17:33]

“… Por causa disso, prescrevemos aos filhos de Israel que quem mata uma pessoa, sem que esta haja matado outra ou semeado corrupção na terra, será como se matasse todos os homens. E quem lhe dá a vida será como se desse a vida a todos os homens. E, com efeito, Nossos Mensageiros chegaram-lhes com as evidências; em seguida, por certo, muitos deles, depois disso, continuaram entregues a excessos, na terra” [Sagrado Alcorão 5:32]

No Islã, a vida é uma confiança sagrada de Deus e o direito mais básico de um ser humano. Nenhum indivíduo tem permissão para levar a vida de outro, a menos que seja para a justiça administrada por um tribunal competente na sequência do devido processo legal.

Não só os seres humanos têm o direito de não se prejudicar, eles têm o direito de serem protegidos de danos, físicos ou de outra forma. Por exemplo, de acordo com a lei islâmica, as pessoas são legalmente responsáveis ​​por não impedir que um cego morra de uma queda perigosa, se eles estiverem em posição de salvá-lo.

Mesmo durante a guerra, o Islã exige que se trate o inimigo nobremente no campo de batalha. Soldados inimigos e prisioneiros de guerra não devem ser torturados e ou mutilados sob nenhuma circunstância. O islamismo também estabeleceu uma clara linha de distinção entre combatentes e não combatentes.

No que diz respeito aos civis, sejam mulheres, crianças, idosos, enfermos, etc., as instruções do Profeta (Que a paz e bênçãos estejam sobre ele) são as seguintes:

“Não matar qualquer pessoa velha, qualquer criança ou qualquer mulher”

“Não mate os monges nos mosteiros”

Durante uma guerra, o Profeta ﷺ observou o corpo de uma mulher deitada no chão e disse: “Ela não estava lutando. Por que eles a mataram?”

Portanto, os civis têm direito à vida, mesmo que seu país esteja em guerra com um país islâmico.

Liberdade de Crença

Contrariamente aos equívocos populares, uma verdadeira república islâmica é obrigada a não só permitir, mas respeitar a diversidade religiosa.  Assim, os não-muçulmanos dentro de um território islâmico podem adorar de acordo com sua religião.

Enquanto a Espanha estava sob o domínio muçulmano, a cidade de Córdoba era considerada o centro intelectual da Europa, onde estudantes estudavam filosofia, ciência e medicina sob estudiosos muçulmanos, judeus e cristãos.

“Esta sociedade opulenta e sofisticada tolerava outras religiões, quando a tolerância era desconhecida no resto da Europa … Na Espanha muçulmana, milhares de judeus e cristãos viveram em paz e harmonia sob os governantes muçulmanos”. [Burke, 1985, p. 38]

O muçulmano tem um caráter integral e trata justamente todo ser humano, independentemente da origem étnica, nacional ou religiosa; Seja amigos ou inimigos. O Sagrado Alcorão diz:

“Ó vós que credes! Sede constantes em servir a Allah, sendo testemunhas com equanimidade. E que o ódio para com um povo não vos induza a não serdes justos. Sede justos: isso está mais próximo da piedade. E temei a Allah. Por certo, Allah do que fazeis, é Conhecedor …” [Sagrado Alcorão 5:8]

“O senso de justiça que o Islamismo engloba é um dos ideais mais maravilhosos do Islã, porque, como leio no Sagrado Alcorão, encontro esses princípios dinâmicos da vida, não ética mística mas prática para a conduta diária de vida adequada para o mundo inteiro”. [Conferências sobre “Os ideais do islamismo” Sarojini Naidu, Madras, 1918, p. 167]

Direitos e Responsabilidade Mútua

A partir da discussão anterior, é claro que a lei islâmica tem direitos divinamente mandatados para os indivíduos em seus papéis específicos como cônjuge, pai, filho, parente, vizinho, amigo e até inimigo.

Na sua distribuição de direitos e responsabilidades, o Islã abordou as questões sociais, raciais, de gênero e sectárias que afetam a nossa sociedade global. Na verdade, o modelo de direitos e responsabilidades mútuas consagrados no Islã tem um enorme potencial para a reforma individual e social no mundo.

  • Vida Apos a Morte

    Vida Após a Morte

    Os muçulmanos acreditam em uma vida após a morte e com a morte de um indivíduo, a porta pa…
  • Bíblia comparada ao Alcorão

    Bíblia Comparada Ao Alcorão

    Deve ser declarado no início deste trabalho, que os muçulmanos não procuram rebaixar ou pr…
  • O Status do Idoso no Islam

    O Status do Idoso no Islam

    O Islam é a religião da compaixão e da justiça, uma religião que ensina a moral perfeita e…
Load More Related Articles
Comments are closed.

Check Also

Por que Allah (Deus) Enviou Profetas?

As Pessoas Precisam De Profetas? Por que Deus Enviou Profetas? Um livro significativo requ…