Home Básicos Islam Valores Essenciais do Islam

Valores Essenciais do Islam

0
Os valores fundamentais do islam

O Que É O Islam?

Estamos providenciando esta seção para nossos novos irmãos e irmãs, para que eles possam ter mais informações sobre os ensinamentos do Islam, a religião da submissão absoluta ao único Deus, Allah.

Esperamos sinceramente que você se beneficie disso e que possa aprofundar seu conhecimento e aumentar seu interesse pelo Islam. Embora vivamos no século XXI – provavelmente na era mais secular e religiosa da história – muitos de nós ainda estão inclinados a parar de vez em quando para pensar sobre religião. E, no entanto, descobrimos que existem tantas opiniões diferentes sobre religião. As religiões parecem se apegar fanaticamente às suas próprias crenças. Cada um, por sua vez, parece afirmar que possui toda a verdade, enquanto todos os outros estão perdidos em um erro irremediável.

Em uma época dilacerada pelo ódio, pela guerra e pela disputa entre as raças, muitos de nós olham para a religião em busca de orientação para a paz e a fraternidade e ficam desapontados quando encontramos na maioria deles intolerância e estreiteza da espiritualidade.

Então, podemos perguntar, existe uma religião que ensina a Unicidade de Deus e a unicidade da humanidade, e, ao mesmo tempo, é tolerante com outros pontos de vista? Este é exatamente o ensinamento do Islam. De fato, o Islam ensina que esta mensagem da Unicidade de Deus e da irmandade de todas as raças é a mensagem original que Allah enviou a todos os profetas e religiões desde os primórdios da história humana.

No entanto, o homem mudou esse ensinamento original da Unidade e se desenvolveu a partir de numerosas seitas mutuamente antagônicas. Como Allah diz no Alcorão, a revelação de Allah ao Profeta Muhammad (Que a paz e bênçãos estejam com ele):

“Mas, os homens, entre eles, cortaram, em pedaços, os laços que os uniam. Cada partido está jubiloso com o que tem. Então, deixa-os, Muhammad, mergulhados em sua confusão, até certo tempo.” [Sagrado Alcorão 23:52-53]

O Islam ainda preserva esse ensinamento da Unicidade de Deus e da irmandade de toda a humanidade. O Islam procura implementar esse espírito entre todas as raças e, ao mesmo tempo, permanece tolerante e respeitoso com todas as outras religiões celestiais e seus seguidores que compartilham a crença no Deus uno e único. O Alcorão Sagrado ensina:

“Não há compulsão na religião! Com efeito, distingue-se a retidão da depravação. Então, quem renega At-Tāghūt e crê em Allah, com efeito, ater-se-á à firme alça irrompível. E Allah é Oniouvinte, Onisciente.” [Sagrado Alcorão 2:256]

O Significado do Islam

É falso chamar o Islam de maometismo, como tem sido feito com tanta frequência no Ocidente. Nós já mostramos que os muçulmanos acreditam que o Islam é a mensagem eterna que Allah enviou a todos os profetas, que a paz esteja com eles, desde o alvorecer da humanidade, e não uma nova crença que começou com o Profeta Muhammad ﷺ.

Os muçulmanos chamam sua religião de Islam, e a palavra árabe Islam implica a obtenção da paz através da submissão a Allah. A palavra Muçulmano é um adjetivo derivado do substantivo Islam, e implica aquele que tem paz dentro de si mesmo como resultado de sua submissão a Deus.

Os muçulmanos acreditam no Único, Deus Eterno, Que criou os céus e a terra e tudo o que existe. Em árabe, Deus é chamado de Allah. Não há absolutamente nenhuma diferença entre Allah e o Deus de Abraão, Moisés e Jesus, a paz esteja com todos eles. Os muçulmanos não acreditam que o profeta Muhammad ﷺ fosse o único profeta, em vez disso, eles acreditam que ele foi o último dos profetas do Antigo e do Novo Testamento. O Alcorão Sagrado é a escritura sagrada e revelada do Islam e ensina:

“Dizei: “Cremos em Allah e no que foi revelado para nós, e no que fora revelado para Abraão e Ismael e Isaque e Jacó e para as tribos; e no que fora concedido a Moisés e a Jesus, e no que fora concedido aos profetas, por seu Senhor. Não fazemos distinção entre nenhum deles. E, para Ele, somos moslimes. ” [Sagrado Alcorão 2:136]

Algumas Crenças Básicas do Islam

O conceito mais fundamental do Islam e a espinha dorsal de todos os seus outros princípios e práticas é a Unicidade de Deus – Tawhiid. O Islam é o monoteísmo em sua forma mais pura, e a lógica do monoteísmo puro é o fio que percorre todo o tecido do modo de vida Islâmico. O Islam ensina uma diferença fundamental entre Allah, o Criador e aquilo que Ele criou. O céu, a lua, as estrelas, a harmonia e a perfeição do mundo natural, a graça e a beleza do corpo humano e a excelência da mente humana, a alternância do dia e da noite, a mudança das estações e o mistério de vida e morte todos apontam para algo além, maior do que eles mesmos. Para o crente, estes são todos sinais (ayaat) de Allah. O Islam ensina que Allah não deve ser comparado a qualquer coisa que Ele criou. Ele é todo poderoso, Onisciente. Ele está além de qualquer imperfeição e é o cumprimento de toda a perfeição. Ele não é uma substância, nem é como qualquer uma de Suas criaturas. Ele não é um Deus longe e distante, nem é um ideal inacessível. Ele é Todo-bondoso, Todo Misericordioso e Todo Compassivo.

O Islam ensina que Allah é eterno. Ele não foi gerado por si mesmo, nem ele, por sua vez, gerou um filho ou uma filha. O Islam rejeita o conceito da encarnação de Deus, que é encontrado no hinduísmo, cristianismo e outras religiões, e acredita que o conceito de encarnação limita o conceito de Deus e destrói a convicção do crente da Atividade e Perfeição de Deus.

O Alcorão descreve Allah sendo perfeito e ativo:

“Allah, não existe deus senão Ele, O Vivente, Aquele que subsiste por Si mesmo. Não O tomam nem sonolência nem sono. DEle é o que há nos céus e o que há na terra. Quem intercederá junto dEle senão com Sua permissão? Ele sabe seu passado e seu futuro. E nada abarcam de Sua ciência senão aquilo que Ele quer. Seu Trono abrange os céus e a terra. E não O afadiga custodiá-los. E Ele é O Altíssimo, O Magnífico.” [Sagrado Alcorão 2:255]

O Islam rejeita a noção de que Jesus (A paz esteja com ele) era o filho de Deus. Pelo contrário, ele honra e respeita-o como um dos grandes mensageiros e profetas de Allah para os filhos de Israel.

O Islam rejeita o conceito de trindade e considera uma contradição do monoteísmo puro. Também rejeita o argumento de alguns cristãos que Deus se fez encarnar em Jesus, para que Deus pudesse ser conhecido pelos homens, e também rejeita o argumento de que Jesus, morreu na cruz pelos pecados da humanidade. Para começar, o Islam acredita que o homem pode vir a conhecer a Deus e sentir-se próximo a Ele por meio de oração adequada, jejum, caridade, peregrinação e atos justos. A própria prática do Islam é destinada a purificar a alma do crente e aproximá-lo de Allah. Com relação ao segundo argumento, o Islam ensina que nenhum ser humano pode arcar com o fardo da responsabilidade do outro.

Allah está muito consciente das nossas fraquezas e imperfeições humanas. Ele não nos condena porque somos criados imperfeitos; em vez disso, Ele nos guia para a auto-perfeição e Ele nos perdoa e derrama Sua misericórdia sobre nós quando falhamos e depois pedimos o Seu perdão com sinceridade.

Os muçulmanos acreditam na origem divina do Antigo e do Novo Testamento, embora os muçulmanos duvidem da autenticidade histórica de algumas partes do Antigo e do Novo Testamento e não acreditam que sejam representações exatas do que Allah originalmente revelou. O Alcorão confirma essa visão do texto do Antigo e do Novo Testamento há centenas de anos e, nos últimos anos, essa visão foi confirmada por estudos textuais de eruditos bíblicos. Os muçulmanos acreditam nos Anjos de Allah e em Seus Profetas, que a paz esteja com eles. Eles acreditam na ressurreição dos mortos no fim do mundo; eles acreditam na vinda do Dia do Juízo Final e da vida eterna no Paraíso ou no Inferno.

Embora os muçulmanos acreditem que Allah é Todo-poderoso e mantém total controle sobre Sua criação, eles também acreditam que Allah criou o homem com livre arbítrio e a capacidade de escolher e agir, e que Allah está apenas tornando o homem moralmente responsável pelo que ele faz durante a sua vida. É falso dizer que o Islam ensina seus seguidores a renunciar, humilde e passivamente, de qualquer que seja sua sina ou destino. Em vez disso, o Islam desafia o crente a lutar contra o mal e a opressão e a lutar pelo estabelecimento da justiça e justiça.

Fé em ação

Fé sem ação é uma letra morta. O Islam nos ensina que a fé por si só não é suficiente até que seja transformada em ação. O Profeta Muhammad ﷺ disse:

“A fé não depende de suscitar esperanças, mas é algo que está firmemente estabelecido no coração e atestado pela ação. De fato, há pessoas que foram enganadas por suas esperanças, de modo que finalmente deixam este mundo sem mérito. Eles costumavam dizer: ‘Temos boas expectativas em Allah’. No entanto, eles apenas se enganaram. Pois se tivessem realmente colocado boas expectativas em Allah, teriam se destacado em boas ações. “

Cada muçulmano é ensinado que ele/ela é pessoalmente responsável por suas próprias ações, tanto neste mundo quanto no futuro. O Islam ensina que todo indivíduo deve assumir a responsabilidade de suas próprias ações e que ninguém pode carregar esse fardo para eles.

A posição das Mulheres no Islam

O Islam ensina que a mulher não é inerentemente inferior ao homem; em vez disso, homem e mulher são de natureza semelhante. Ambos são iguais em capacidade intelectual e espiritual. Além disso, ambos são igualmente responsáveis por suas ações diante de Allah.

Também é verdade que o Islam considera a mulher como tendo um papel primordial na constituição e no funcionamento da família. O Islam dá grande ênfase ao papel da mulher muçulmana como esposa e, particularmente, como mãe, e os muçulmanos são frequentemente da opinião de que a melhor posição para a mulher está no lar com seus filhos e familiares. No entanto, a mulher muçulmana não está proibida de sair de casa para buscar educação, uma profissão docente ou outros objetivos válidos e construtivos que lucrem não apenas a ela, mas também à sociedade. O Alcorão estabelece a igualdade espiritual e a responsabilidade mútua do homem e da mulher em versos como os seguintes:

“E quem faz as boas obras, varão ou varoa, enquanto crente, esses entrarão no Paraíso e não sofrerão injustiça, a mínima que seja.” [Sagrado Alcorão 4:124]

Então, Seu Senhor atendeu-os, dizendo: “Por certo, não faço perder o labor de um laborioso, entre vós, seja varão ou varoa: procedeis uns dos outros.” [Sagrado Alcorão 3:195]

A relação do homem muçulmano com sua esposa não é de mestre para escravo. Pelo contrário, toda a responsabilidade do apoio econômico é colocada sobre os ombros do homem e ele não pode exigir de sua esposa que ela também se torne economicamente produtiva para sustentar a família, embora ela seja capaz de fazer isso se desejar.

O Alcorão enuncia essa responsabilidade entre homens e mulheres no seguinte verso:

“Os homens têm autoridade sobre as mulheres, pelo que Allah preferiu alguns a outros, e pelo que despendem de suas riquezas. Então, as íntegras são devotas, custódias de honra, na ausência dos maridos, pelo que Allah as custodiou.” [Sagrado Alcorão 4:34]

O ponto importante que deve ser concluído é que o Islam tem grande respeito pela mulher. Não ensina que ela não tem alma ou que é a raiz de todo mal ou que é inferior ao homem e deve ser mantida em isolamento e subjugação. É também digno de nota que o Alcorão não ensina que o homem caiu do Paraíso por causa da tentação de Eva. Em vez disso, o Alcorão direciona toda a responsabilidade para com o próprio Adão, ao mesmo tempo em que acrescenta que Allah se voltou para Adão em misericórdia e perdoou seu pecado. Portanto, o pecado de Adão termina com o próprio Adão, e Allah, que é o Beneficente e o Misericordioso, não responsabiliza a humanidade pelo pecado de Adão.

Não podemos negar que a condição da mulher, por vezes, tem sido lamentável no mundo muçulmano, assim como no resto do mundo em geral. Não queremos justificar essas circunstâncias, mas apenas para mostrar que elas não se originaram dos ensinamentos do próprio Islam.

Irmandade e Igualdade da Humanidade

O Islam ensina que a família humana é uma, que não há superioridade de branco sobre preto ou preto sobre branco. O Islam rejeita radicalmente todas as noções de preconceito racial e ensina que a única base de distinção entre os seres humanos são suas qualidades morais individuais.

O conceito de irmandade Islâmica tem duas dimensões principais; a relação dos muçulmanos entre si e a relação dos muçulmanos com os não-muçulmanos. Quanto à primeira categoria, o Islam ensina que a irmandade entre todos os muçulmanos deve ser absoluta e total. O árabe não tem privilégios sobre os não-árabes e, como não há clero ou sacerdócio no Islam, todos os muçulmanos são basicamente iguais, de cima a baixo, de ricos a pobres, de educados a ignorantes.

Quanto às relações entre muçulmanos e não-muçulmanos, o ensinamento do Islam é que isso deve ser uma relação de respeito mútuo e particularmente de tolerância. É preferível que muçulmanos e não-muçulmanos vivam em paz, protejam uns aos outros e cooperem uns com os outros. Como o Alcorão diz:

“Não há compulsão na religião …” [Sagrado Alcorão 2:256] 

“Você tem a sua religião e eu tenho a minha.” [Sagrado Alcorão 109:6]

Razão

Os muçulmanos consideram sua religião muito racional e consistente com os ditames da mente de acreditar e raciocinar. Além disso, o Alcorão ensina que a faculdade racional é um dos maiores dons de Deus para o homem, e nos encoraja a usar essa faculdade e desenvolvê-la. O Islam não pede a seus seguidores que acreditem e sigam tudo de forma cega e inquestionável. O Alcorão diz, por exemplo:

” E, se estais em dúvida acerca do que fizemos descer sobre Nosso servo, fazei vir uma sura igual à dele, e convocai vossas testemunhas, em vez de Allah, se sois verídicos.” [Sagrado Alcorão 2:23]

O Islam encoraja raciocínio, pensamento e opinião pessoal. O Profeta ﷺ disse: “As diferenças de opinião entre os instruídos de meus seguidores são a misericórdia de Allah”. O Islam tem grande respeito pelo aprendizado da ciência e pela exploração do homem dos segredos da natureza e da criação. Na verdade, Allah desafia o homem em muitas ocasiões no Alcorão para aprofundar sua fé, conhecimento e sabedoria do estudo e contemplação do mundo natural, sua harmonia, simetria e beleza. Por exemplo:

“Aquele Que criou sete céus superpostos! Não vês desarmonia alguma na criação dO Misericordioso. Então, torna a vista para o céu: vês nele alguma greta? Em seguida, torna a vista, duas vezes, que a vista se voltará para ti, malogrado e exausto.” [Sagrado Alcorão 67:3-4]

As capacidades individuais e habilidades únicas das pessoas são uma dádiva de Allah, a ser desenvolvida, aperfeiçoada e usada para o benefício da humanidade. O Islam não tenta esmagar a individualidade de seus crentes, mas sim guiar cada crente até a perfeição e purificar sua própria singularidade. Essa multiplicidade de personalidades expressivas e desenvolvidas enriquece a sociedade e a coloca em um nível superior, como a beleza de um arabesco intrincado, mas unificado.

Atitude Islâmica em Relação à Guerra

Aos olhos de alguns comentaristas sobre o Islam no Ocidente, o Islam tem sido retratado como uma religião militante, uma religião de sangue, fogo e espada. Já tentamos chamar a atenção para a preocupação fundamental do Islam pela tolerância e liberdade religiosa, e também comentamos a ênfase dada pelo Islam à paz e à cooperação entre a humanidade. No entanto, o Islam é uma religião prática, uma religião que nunca ignora por um único momento as complexidades e exigências das duras realidades e fatos da vida.

O Islam está fundamentalmente preocupado em estabelecer sociedades nas quais os direitos de liberdade de crença, direitos humanos e proteção da vida, dignidade e propriedade estejam protegidos de ameaças internas e externas.

Portanto, o Islam ensina seus seguidores a serem misericordiosos e inclinados ao perdão e à paz, mesmo em tempos de guerra.

O Islam, portanto, estipula os princípios que os muçulmanos devem seguir antes, durante e depois da guerra. A paz deve ser estabelecida com base na justiça. Os muçulmanos não devem ser agressivos ou violar tratados que concluíram com outros, mas a guerra deve ser travada em defesa da comunidade muçulmana e do que ela representa. Durante a guerra, não há morte de civis e aqueles que não participam diretamente da guerra. Os prisioneiros devem ser tratados com humanidade. A destruição de terras, árvores frutíferas, animais e cidades e aldeias deve ser evitada. Os muçulmanos devem estar inclinados à paz se o inimigo estiver verdadeiramente inclinado à paz, e devem fazer tratados e acordos para preservar essa paz e depois observar esses tratados enquanto o inimigo os observar. O conceito de ‘jihad’ é um dos conceitos mais elevados do Islam. O termo às vezes foi traduzido como ‘Guerra Santa’. No entanto, esta tradução é incompleta para Jihad, que também significa, pela linguagem, “Esforço”. É um conceito que coloca grande ênfase no ativismo e auto-sacrifício, embora não se aplique ao sacrifício apenas na guerra. O Profeta ﷺ disse que a maior jihad é a luta do muçulmano para se purificar. A jihad menor consiste em todos os esforços que o muçulmano faz em sua vida externa, caridade, vida justa e atos, o esforço constante para alcançar o Caminho Reto em suas relações com seus semelhantes. É na verdade se esforçar no Caminho de Allah.

Os Cinco Pilares do Islam

O Islam estabeleceu cinco obrigações principais que são obrigatórias para todos os muçulmanos e formam a estrutura, ou pilares, de sua vida. Eles são:

1. Crença na Unicidade de Allah, e o testemunho dessa crença pelas palavras. “Testemunho que não há deus exceto Allah, e que Muhammad é Seu Profeta e Mensageiro.”

2. As cinco orações diárias ao amanhecer, meio-dia, à tarde, pôr do sol e anoitecer. Essas cinco orações diárias ajudam a desenvolver a consciência de Allah em sua vida cotidiana. A importância destas não pode ser super enfatizada. Eles são um lembrete constante para o adorador da Presença e Poder de Allah e ajudam o adorador a evitar desviar-se do Caminho Reto.

3. A outorga da caridade ao próximo. O Islam coloca grande ênfase na generosidade e caridade como um meio de purificar a alma e se aproximar de Allah. O muçulmano é obrigado a doar voluntariamente sempre que puder; no entanto, ele / ela é obrigado a pagar anualmente um imposto de caridade obrigatório de dois e meio por cento do seu salário líquido anual que exceder as necessidades, para doar para os pobres e necessitados, etc. O Zakat – caridade – permite que a comunidade muçulmana cuide de todos os seus membros e garante que ninguém será privado de seu direito humano básico de existir.

4. Jejum durante o nono mês do ano lunar ‘Ramadan’. Este jejum é imposto aos muçulmanos de boa saúde e corpo sadio que tenham atingido a idade de maturidade física e não sejam impedidos de realizar o jejum por várias circunstâncias como viajar, doença mental, ou, especificamente, no caso de mulheres, menstruação ou parto. O jejum do Ramadan começa ao amanhecer e dura até o pôr do sol. Durante este período o muçulmano se abstém de comer, beber, atividade sexual e fumar. O jejum ensina a autodisciplina e o controle, enquanto purifica a alma e o corpo e fortalece a consciência de Allah.

5. A peregrinação a Meca. A peregrinação é exigida de todos os muçulmanos pelo menos uma vez durante a sua vida, se eles tiverem recursos financeiros. A peregrinação anual a Meca é um dos maiores eventos do mundo muçulmano, unindo os muçulmanos de todas as raças e de todos os cantos do mundo. Esta é uma grande experiência na vida de um muçulmano que lhe permite aproximar-se de Allah. Gostaríamos de lembrar ao leitor que a Mesquita Sagrada em Meca foi construída pelo Profeta Abraão e seu filho, o Profeta Ismael, que a paz esteja com eles.

Quem é Muçulmano?

Como não há sacerdócio no Islam, nenhum clero e nenhuma instituição religiosa oficial, tudo o que se tem a fazer para se tornar um muçulmano é estar pessoalmente convencido da verdade do que o Islam ensina e testemunhar que “não há deus exceto Allah, e que Muhammad é Seu profeta “.

Uma das grandes belezas do Islam é sua simplicidade, sua naturalidade e sua falta de formalidades. O Islam é a religião de Adão e da humanidade em seus primeiros e mais avançados estágios de desenvolvimento. Allah diz no Alcorão:

“Então, ergue tua face para a religião, sendo monoteísta sincero. Assim é a natureza feita por Allah – segundo a qual Ele criou os homens. Não há alteração na criação de Allah. – Essa é a religião reta, mas a maioria dos homens não sabe.” [Sagrado Alcorão 30:30]

O Benefício de Abraçar o Islam

Entre os muitos benefícios de abraçar o Islam, está o facto de que uma vez que você testemunhou que: “Não há nenhum deus além de Allah, e Muhammad é Seu Profeta”, todos os seus pecados passados são perdoados e todos os seus pecados do passado são transformados em méritos! Você também recebe a recompensa de acreditar na religião do Profeta Jesus, se você é um cristão, ou o Profeta Moisés, se você é um judeu, e a religião do Profeta Muhammad ﷺ, o que significa que você recebe duas recompensas.

Load More Related Articles
Comments are closed.

Check Also

Por que Allah (Deus) Enviou Profetas?

As Pessoas Precisam De Profetas? Por que Deus Enviou Profetas? Um livro significativo requ…