Casa Básicos Ramadan e Eid Por que Os Muçulmanos Jejuam?

Por que Os Muçulmanos Jejuam?

0
Ramadan

Hoje em dia, quando a maioria de nós está acima do peso, muitas pessoas já experimentaram diferentes tipos de jejum.

Alguns bebem apenas suco por um dia, ou comem apenas frutas, ou ficam longe de qualquer açúcar ou amido, ou deixam o álcool por um período de tempo.

Ainda assim, parece estranho para a maioria das pessoas, a ideia de muçulmanos jejuarem no mês do Ramadan.

Toda a nação de quase 2 bilhões de pessoas, homens e mulheres, jovens e velhos, ricos ou pobres – todos juntos, durante um mês inteiro – não comem, não bebem e não tem relações íntimas, durante as horas do dia.

Isso descreve o mês do Ramadan.

Qual é o significado do Ramadan? Não é uma prática muito dura? É apenas uma época em que os muçulmanos dormem e jejuam e duramente trabalham o dia todo; e comem, bebem, curtem e ficam acordado a noite toda? Qual é realmente o espírito do Ramadan?

Jejum é Prescrito em Outras Religiões

Em inglês, “jejum” significa se abster de comida ou de certos tipos de comida voluntariamente, como a observância de um dia santo ou como um sinal de pesar, tristeza ou arrependimento.

Esta prática pode ser encontrada na maioria das principais religiões do mundo. Por exemplo:

Hindu: O jejum em sânscrito é chamado upavaasa.

Hindus devotos observam o jejum em ocasiões especiais como uma marca de respeito a seus deuses pessoais ou como parte de sua penitência.

A maioria dos indianos devotos jejuam regularmente ou em ocasiões especiais, como festivais. Em tais dias eles não comem nada, comem uma vez ou se contentam com frutas ou com uma dieta especial de comida simples.

Judeu: Yom Kippur (“Dia da Expiação”) é o último dos Dez Dias de Arrependimento observado no dia 10 de Tishri.
Nesse dia, é proibido comer, beber, lavar, usar couro ou ter relações sexuais. Além disso, as proibições de trabalho semelhantes às do sábado estão em vigor

Também deve ser notado que Moisés (que a paz esteja com ele) é lembrado na Torá por jejuar:
“E ele estava lá com o Senhor 40 dias e 40 noites, ele não comeu pão nem bebeu água.” (Êxodo 34:28)

Para os católicos cristãos: A Quaresma é a principal época de jejum, imitação do jejum de quarenta dias de Jesus (que a paz esteja com ele).
No quarto século, foi observado como seis semanas de jejum antes da Páscoa ou antes da Semana Santa. Foi ajustado para quarenta dias de jejum real na maioria dos lugares no século VII.

Jesus é registrado nos Evangelhos como tendo jejuado como Moisés. “E ele jejuou 40 dias e 40 noites e depois ficou com fome.” (Mateus 4: 2 e Lucas 4: 2)

E neste contexto Deus diz no Alcorão:

“Ó vós que credes! É-vos prescrito o jejum, como foi prescrito aos que foram antes de vós, para serdes piedosos.” [Sagrado Alcorão 2:183]

Entre os Melhores Atos de Justiça

Embora na maioria das religiões, o jejum seja para reparação do pecado ou expiação pelo pecado, no Islam é principalmente para trazer o servo mais perto de Deus, como afirmado no verso acima mencionado.

Já que a consciência de Deus é o pré-requisito para a justiça, grande ênfase é colocada no jejum no Islam.

Portanto, não é surpreendente descobrir que quando o Profeta Muhammad (que a paz e bênçãos estejam com ele) foi perguntado: “Qual é o melhor feito?” Ele respondeu: “Jejum, porque não há nada igual a ele”.

Os Níveis de Jejum

Existem tantos níveis de jejum quanto há facetas no ser humano.
O jejum adequado deve abranger todas as dimensões da existência humana para que tenha o efeito divinamente pretendido.

A seguir estão alguns dos principais níveis de jejum:

Nível Ritual:

Esse nível de jejum requer que as regras básicas do jejum sejam cumpridas, evitando alimentos, bebidas e relações sexuais entre o nascer e o pôr do sol por 29 ou 30 dias a cada ano.

Nesse nível, basicamente, segue-se a letra das leis que dizem respeito ao jejum, sem consideração especial pelo espírito de jejum.

É o nível de entrada que deve ser cumprido para que o jejum seja islamicamente correto, mas os outros níveis devem ser adicionados para que o jejum cause algum impacto real na pessoa em jejum.

Jejuar neste nível somente não beneficiará espiritualmente, exceto da perspectiva de submissão a instruções divinas, se alguém escolhe seguir o ritual conscientemente e não meramente de acordo com a tradição.

Assim, por si só, o nível ritual não purifica o pecado ou expia o pecado.

O nível físico:

O jejum no nível “físico” faz com que o jejuador experimente as dores da fome e da sede – quando o modo de jejum profético (Sunnah) é observado. O profeta Muhammad ﷺ costumava consumir uma refeição muito leve antes do amanhecer (suhur) e uma refeição moderada (iftar) para quebrar o jejum ao pôr do sol, enquanto evitava escrupulosamente encher seu estômago.

Dizem que ele disse:

“O pior recipiente que um ser humano pode preencher é o estômago. Alguns pedaços de comida para manter as costas retas de uma pessoa são suficientes.

No entanto, se seu desejo o superar, deixe-o comer um terço, beba um terço e deixe um terço para respirar. ”
O Profeta ﷺ costumava quebrar o jejum com algumas tâmaras frescas ou secas e um copo de água antes de iniciar a oração do pôr-do-sol.

Este nível permite que o jejuante experimente as dores da fome e da sede e, assim, desenvolva simpatia por aqueles famintos e morrendo de sede em outras partes do mundo.

Benefícios médicos:

No nível físico, algumas substâncias químicas no cérebro que transmitem mensagens e criam sentimentos, chamadas neurotransmissores, são afetadas pelo jejum.
O jejum estimula o sistema neurotransmissor da endorfina, relacionado à sensação de bem-estar – e euforia, de produzir mais endorfinas e, de fato, nos faz “sentir” melhor.
Isso é semelhante ao efeito do exercício (mas sem o trabalho físico).

Também foi observado por especialistas médicos que o jejum melhora a saúde física de várias maneiras.
Por exemplo, durante o jejum, o corpo consome o colesterol armazenado (gordura) que muitas vezes é depositado no sistema sanguíneo, bem como em outras áreas gordurosas do corpo.

Então, descobrimos que isso ajuda a manter o corpo firme e minimiza o risco de ataques cardíacos.

A diferença entre o nível 1 do ritual e o nível 2 do nível físico é que uma pessoa que faz apenas jejum ritual pode comer grandes refeições antes de começar o jejum e imediatamente após terminar o jejum, e não sentir fome ou sede durante todo o mês.

No entanto, como no nível um, se a pessoa em jejum não incorporar os outros níveis de jejum, o jejum só será fisicamente desgastante.

O Profeta ﷺ disse:

“Talvez uma pessoa em jejum não ganhe nada além de fome e sede do jejum”.

O nível libidinal:

O instinto sexual e impulsos (libido) são alterados neste nível de jejum.

Nestes tempos em que a mídia continuamente joga com os desejos sexuais de promover e vender produtos, a capacidade de controlar esses desejos poderosos é uma vantagem.

O jejum reduz fisicamente os desejos sexuais e o fato de que a pessoa em jejum tem que evitar qualquer coisa que possa estimulá-lo psicologicamente, ajuda a baixar ainda mais a libido.

Profeta Muhammad ﷺ disse:

“Ó jovens, aqueles entre vocês é capaz de se casar deixa-o fazê-lo, porque isso restringe os olhos e protege as partes íntimas. Aquele que é incapaz de se casar devem jejuar, porque é um escudo.”

Restringindo-se de atos sexuais, mesmo que sejam permissíveis, o povo em jejum torna mais fácil para eles mesmos restringir-se de atos sexuais proibidos quando eles não estão jejuando.

O nível emocional:

Jejuar neste nível envolve controlar as muitas emoções negativas que fervem na mente e alma humanas.

Por exemplo, entre as emoções mais destrutivas está a raiva.
O jejum ajuda a controlar essa emoção.

O profeta Muhammad ﷺ disse:

“Quando um de vocês está jejuando, ele deve se abster de atos indecentes e conversas desnecessárias, e se alguém começar uma conversa obscena ou tentar provocar uma discussão, ele deve simplesmente dizer a ele:” Estou jejuando.” 

Então, neste nível, quaisquer emoções negativas que desafiam a pessoa em jejum devem ser evitadas.

Uma pessoa tem que se abster de conversas lascivas e discussões acaloradas. Mesmo quando se está certo, é melhor deixar isso bem claro e manter o estado emocional mais firme e intacto.

Da mesma forma, a emoção negativa da inveja é reduzida, pois toda pessoa em jejum é reduzida ao denominador comum da abstinência; ninguém é externamente superior a outro a esse respeito.

O nível psicológico:

Este nível ajuda psicologicamente a pessoa em jejum a controlar os maus pensamentos e a treiná-la, até certo ponto, a superar a mesquinhez e a ganância.

O Profeta ﷺ disse:

“Allah não precisa da fome e da sede da pessoa que não se contenha de mentir e agir sobre eles, mesmo observando o jejum. “

Nesta era de gratificação imediata, quando as coisas do mundo são usadas para satisfazer as necessidades e desejos humanos quase tão logo as tenham – a capacidade de adiar a gratificação é uma habilidade importante.

O que há entre gratificação imediata e gratificação tardia é paciência. Durante o jejum, os crentes aprendem a paciência – e os benefícios disso.

Do ponto de vista psicológico, é bom estar um pouco afastado das coisas do mundo.

Não há nada de errado em desfrutar de uma vida boa e plena – na verdade, podemos e devemos esperar isso.

No entanto, é importante que as pessoas sejam capazes de se desprender das coisas materiais para que elas não se tornem a parte mais importante de suas vidas.

O jejum dá a oportunidade de superar os muitos vícios que se tornaram uma parte importante da vida moderna.

O alimento, para muitas pessoas, proporciona conforto e alegria – e a capacidade de separar-se dele dá às pessoas em jejum o benefício psicológico de saber que elas têm algum grau de controle sobre o que fazem e o que não fazem.

O nível espiritual:

Para estabelecer isso, o mais alto e mais importante nível de jejum, o nível de consciência de Deus, o Profeta Muhammad ﷺ fez a renovação da intenção de jejuar como uma exigência antes de cada dia de jejum.

Ele teria dito:

“Quem não fizer a inteção de jejuar antes de Fajr (a aurora) não terá jejum”.

A renovação diária da intenção ajuda a estabelecer uma base espiritual de sinceridade essencial para que os efeitos de limpeza espiritual do jejum operem.

O jejum sincero purifica e expia o pecado, como o Profeta ﷺ disse:

“Aquele que jejuar no Ramadan por fé sincera e buscar sua recompensa de Deus, seus pecados anteriores serão perdoados.”

Ele também foi relatado por ter dito: “De um Ramadan para o próximo está a expiação pelos pecados entre eles.”

O jejum sincero aproxima-nos de Allah e recebemos uma recompensa especial.

O Profeta ﷺ informou que há um portão no paraíso chamado Rayyan reservado para aqueles que jejuam e ele também disse:

“Quando o Ramadan vem, as portas do Paraíso são abertas” 

O jejum é principalmente entre a pessoa e Deus, como ninguém pode ter certeza de que qualquer pessoa está realmente jejuando.

Por causa deste aspecto íntimo do jejum, Allah foi citado pelo Profeta ﷺ, dizendo:

“Cada ato dos descendentes de Adão é para eles, exceto o jejum. Ele é destinado somente a Mim, e somente Eu darei a recompensa por isso.”

Quando combinado com os níveis anteriores de jejum, esse nível transforma uma pessoa por dentro.

Isto restaura, revive e regenera a espiritualidade da pessoa em jejum e modifica radicalmente sua personalidade e caráter.

Estes são os preciosos produtos de um elevado estado de consciência de Deus.

Jejum no Islam Cultural

Em grande parte do mundo muçulmano hoje, o jejum foi reduzido a um mero ritual, e o mês do Ramadan tornou-se um tempo de celebração e festividades, em vez de contemplação religiosa e abstinência.

As noites do Ramadan são, para muitos, noites de festa e diversão que continuam até o amanhecer em alguns países.
Lá a noite se torna o dia e o dia se torna a noite.

Em muitos lugares, a refeição leve que deve ser tomada antes do amanhecer torna-se uma importante refeição de três pratos.

Por esta razão, muito poucos experimentam fome real durante o jejum. E no momento de quebrar o jejum, outra refeição de três pratos é tomada, seguida por uma amostras de todos os tipos de doces imagináveis.

Como resultado, muitos muçulmanos se queixam de ganhar peso durante o Ramadan e os médicos regularmente alertam as pessoas sobre as consequências médicas de comer em excesso.

O significado do nome Ramadan

A palavra Ramadan vem do substantivo Ramad, que se refere ao “calor refletido das pedras resultantes do calor intenso do sol”.
Quando os árabes mudaram os nomes dos meses de seus nomes antigos, eles os renomearam de acordo com as estações em que eles caíam.

O nono mês, o que costumava ser chamado de Natiq, caiu durante o verão, o tempo de calor extremo, razão pela qual ele foi nomeado Ramadan.

A Importância do Ramadã

Naturalmente, o fato de que o Ramadan foi no verão não tem relação com o motivo pelo qual este mês foi escolhido por Allah como o mês do jejum.

Como os muçulmanos seguem o calendário lunar, o mês do Ramadan ocorrerá em todas as estações pelo menos duas vezes na vida de cada pessoa. Deus declarou claramente a razão para escolher este mês no Alcorão.

Ele disse:

“Ramadan é o mês em que foi revelado o Alcorão, como orientação para a humanidade e como evidencias de orientação e do critério de julgar. Então, quem de vós presenciar esse mês, que nele jejue. [Sagrado Alcorão 2:185]

O significado do Ramadan reside no fato de que a revelação do Alcorão começou naquele mês.

Por essa razão, o Ramadan é frequentemente chamado de mês do Alcorão e os muçulmanos tentam passar boa parte de suas horas de vigília lendo o Livro Sagrado ao longo do mês.

Reclusão Religiosa (I’tikaf)

Durante os últimos dez dias do Ramadan, o Profeta ﷺ costumava se isolar na mesquita, a fim de aumentar a intensidade de sua adoração e os benefícios do jejum antes do final do mês.

Muçulmanos devotos tentam imitá-lo passando o máximo de dez dias em jejum isolado na mesquita.

Carregar mais artigos relacionados
Comentários estão fechados.

Verificar também

Cantora Irlandesa Sinéad O’Connor Agora Shuhada’ se Converte ao Islam

A famosa cantora irlandesa Sinéad O’Connor tem uma nova religião e um novo nome. A a…