Casa Questões Jihad vs. terrorismo O Que o Islam Diz Sobre Forçar Pessoas na Religião?

O Que o Islam Diz Sobre Forçar Pessoas na Religião?

2
O que diz o Islam sobre forçar pessoas na religião?

Matar? Terrorismo? Conversões Forçadas? Propagar pela espada?

“E matai-os, onde quer que os acheis…” [Sagrado Alcorão 2:191]

“Não há compulsão na religião! [Sagrado Alcorão 2:256]

Uma verdade básica e fundamental estabelecida pelos textos sagrados do Islam (Alcorão e Hadith) é a seguinte: – “Ninguém pode ser forçado a aceitar o Islam.”

É dever e obrigação dos muçulmanos estabelecer a prova e a validade do Islam para as pessoas, a fim de que a verdade seja distinta da falsidade. Os muçulmanos devem apresentar a verdade e as provas do Islam e, em seguida, permitir aos outros a liberdade de escolha para aceitar ou rejeitar as provas.

Uma vez feito isso, quem quer aceitar o Islam pode fazê-lo e quem quiser continuar de alguma outra maneira pode fazê-lo.

Ninguém deve ser ameaçado ou prejudicado de qualquer maneira por escolher não aceitar o Islam.

Todas as três opções são oferecidas quando a Lei islâmica está em vigor:

  • Aceitar que existe apenas uma divindade para adorar e obedecer aos Seus mandamentos (ou seja; ser um muçulmano)
  • Rejeitar o Islam e concordar em viver junto em paz sem travar a guerra ou subverter ou planejar contra a autoridade.
  • Combate.

Existem duas fontes principais de provas para os muçulmanos. Elas são:

  • O Alcorão: considerado pelos muçulmanos como o discurso absoluto ou Recitação de Deus o Todo-Poderoso. [“Alcorão” Ar. Da raiz; “Qara’a”: recitar Alcorão; literatura o que é recitado].
  • O Hadith – ensinamentos de Muhammad (paz e bênçãos sejam sobre ele). [Hadith – Ar significado histórias ou narrações. Os Hadiths foram coletados autenticados em coleções de Bukhari e Muslim chamados ‘Sahih’ categorizados preservados e memorizados por mais de 1.400 anos todos na língua original árabe].

Profeta Muhammad ﷺ disse que Allah disse:

Ele se proíbe de oprimir e Ele proíbe aos crentes oprimir.

O profeta Muhammad ﷺ também disse:

“Ajude o seu irmão na opressão, se ele está sendo oprimido ou se ele é o opressor.” Quando perguntado como alguém poderia ajudar seu irmão se ele fosse um opressor, ele respondeu: “Pare ele.”

Ele também disse:

“Quem não mostra misericórdia, não alcançará misericórdia no Dia do Julgamento”

Nota: É proibido (e impossível de acordo com o significado da palavra “Islam”) obrigar qualquer um a aceitar o Islam pela força.

Por favor, reveja o significado detalhado das palavras Islam, Jihad e Qital antes de continuar a ler: [Clique]

Islam [‘Islam’; Ar. a partir da raiz “Salama” (silm), é a submissão pacífica; render-se; obedecer; Paz; Islam literatura. “A entrega voluntária, submissão, obediência, em pureza à vontade de outro (Allah) em completa paz.”

A compreensão do significado da própria palavra Islam deixa claro que não há nenhuma maneira que você poderia forçar alguém a fazer algo que os obrigue a fazê-lo de sua própria vontade e acordo. Se alguém fosse forçado a entrar no Islam, então não seria o Islam de qualquer forma, como condição do Islam é que seja por livre escolha em paz. Forçar as pessoas para o Islam é totalmente ilógico e certamente não é aceitável no conceito nem na prática.

Jihad & Qital:Observação: A palavra mais utilizada no Alcorão em relação a batalhas, confrontações militares e guerras não é “jihad” – é “Qital”

JIHAD – Existem dois (2) pontos importantes que gostaríamos de visitar com relação ao tema mais discutido e muitas vezes deturpado chamado jihad.

O significado da palavra; [‘jihad’; Ar. da raiz “Jahada”, lutar; afirmar-se, ao fazer grande empenho para chegar a uma conclusão sobre o significado e a interpretação da Lei Islâmica (ijtihad); esforçar-se, como, esforçar-se para completar uma tarefa monumental (jahid); jihad literatura. “A luta para alcançar o objetivo. ]

O objetivo principal da instituição da jihad. Deve ser entendido que a jihad de acordo com Shari’ah (Lei Islâmica) foi instituída por Deus, O próprio dador de leis, apenas com o propósito de criar, proteger e defender o Deen (caminho do Islam, La ilaha illa Allah [ninguém tem o direito de ser adorado, exceto Allah].

QITAL – A palavra “Qital” é da raiz “Qatala” e implica a palavra inglesa “combate” e também quando na forma de “iqtul” (o imperativo do verbo) significa “matar em combate mortal.”

A palavra “jihad” é frequentemente associada a algo semelhante às “Guerras Santas” – onde expedições militares foram realizadas nas cruzadas sob as ordens do Papa da Igreja Católica nos séculos XII, XII e XIII contra o povo de Jerusalém em que eles mataram todos e todos sem discrição, incluindo judeus, muçulmanos e até mesmo cristãos não-católicos.

O sangue foi derramado sem considerar a vida humana na medida em que foi relatado “Nós estávamos com sangue até as pernas de nossos cavalos”. As cruzadas levaram grande riqueza e alguns cavaleiros construíram seus próprios mini-reinos.

Islam proibiu qualquer coisa como isto quinhentos (500) anos antes com a revelação no Alcorão proibindo claramente sobre os crentes para nunca se engajar contra aqueles que não estão envolvidos contra você na guerra.

Outros limites também foram impostos, como não matar qualquer um que não estivesse realmente lutando, não matar o clero, poupar a vida de mulheres, crianças, gado e nem mesmo destruir agricultura ou infraestrutura.

O Alcorão foi o primeiro documento desse tipo na história a oferecer limitações e restrições no combate aberto. Os muçulmanos foram proibidos de se envolverem em qualquer combate para ganho pessoal, vingança ou disputas tribais comuns no momento da revelação. Os muçulmanos foram ordenados a não se envolverem em combate de qualquer tipo, exceto dentro das limitações muito estritas oferecidas pelo Todo-Poderoso.

Os inimigos que foram capturados não foram torturados ou submetidos a humilhação para entretenimento, reivindicação pessoal ou vingança. Os prisioneiros capturados receberam a mesma comida e bebida que os muçulmanos, tendo a oportunidade de aprender sobre o Islam e testemunhar a humilde devoção dos muçulmanos em relação ao Deus Todo-Poderoso.

Em alguns casos, os prisioneiros receberam liberdade em troca de ensinar e educar os muçulmanos. Outros aceitaram o Islam e foram totalmente aceitos como cidadãos muçulmanos dentro da comunidade dos crentes.

Tudo isso foi catorze (14) séculos – antes da Convenção de Genebra!
Entre as muitas provas decisivas no Islam para provar que “Não existe compulsão no Islam” são as seguintes:

Deus diz no Seu Alcorão:

Não há compulsão na religião! Com efeito, distingue-se a retidão da depravação. Então, quem renega At-Taghut e crê em Allah, com efeito, ater-se-á à firme alça irrompível. E Allah é Oniouvinte, Onisciente.” [Sagrado Alcorão 2:256]

Allah também diz no Alcorão:

“E, se teu Senhor quisesse, todos os que estão na terra, juntos, creriam. Então, compelirás tu os homens, até que sejam crentes? ” [Sagrado Alcorão 10:99]

E Allah diz:

“E, se eles argumentarem contigo, Muhammad, dize: “Entreguei minha face a Allah, e, também, quem me segue.” E dize àqueles, aos quais fora concedido o Livro, e aos iletrados: “Quereis islamizar-vos?” Então, se se islamizarem, com efeito, guiar-se-ão; e, se voltarem as costas, impender-te-á, apenas, a transmissão da Mensagem. E Allah, dos servos, é Onividente. ” [Sagrado Alcorão 3:20]

Deus, o Todo-Poderoso, também disse:

“Não impende ao Mensageiro senão a transmissão da mensagem.” [Sagrado Alcorão 5:99]

É importante notar que estes dois últimos versos foram revelados em Medinah. Isso é significativo, uma vez que mostra que a decisão que deram não era apenas dependente de que os muçulmanos estivessem em Meca em estado de fraqueza.

Algumas pessoas podem estar se perguntando se, se o Islam realmente defende essa abordagem, então, o que é tudo isso que ouvimos sobre a jihad? Como podemos explicar a guerra que o Profeta ﷺ e seus Companheiros travaram contra os pagãos?

A resposta a isto é que a jihad na lei islâmica pode ser travada por vários motivos, mas obrigar as pessoas aceitar o Islam simplesmente não é uma delas.

A razão pela qual a jihad foi permitida pela primeira vez no Islam foi para que os muçulmanos pudessem se defender contra perseguição e expulsão de suas casas.

Allah, o Altíssimo diz:

“É permitido o combate aos que são combatidos, porque sofreram injustiça. – E, por certo, Allah, sobre se socorro, é Onipotente. – Esses são os que, sem razão, foram expulsos de seus lares, apenas porque disseram: “Nosso Senhor é Allah.” E, se Allah não detivesse os homens uns pelos outros, estariam demolidos cemitérios e igrejas e sinagogas e mesquitas, em que o nome de Allah é amiúde mencionado. E, em verdade, Allah socorre a quem o socorre. Por certo, Allah é forte, Todo-Poderoso. [Sagrado Alcorão 22:39-40)

Muitos dos primeiros estudiosos mencionam que estes foram os primeiros versículos do Alcorão que foram revelados em relação à jihad. Posteriormente, os seguintes versículos foram revelados:

“E combatei, no caminho de Allah, os que vos combatem, e não cometais agressão. Por certo, Allah não ama os agressores.E matai-os, onde quer que os acheis, e fazei-os sair de onde quer que vos façam sair. E a sedição pela idolatria é pior que o morticínio. E não os combatais nas imediações da Mesquita Sagrada, até que eles vos combatam nela. Então, se eles vos combaterem, matai-os. Assim é a recompensa dos renegadores da Fé. E, se eles se abstiverem, por certo, Allah é Perdoador, Misericordiador. E combatei-os, até que não mais haja sedição pela idolatria e que a religião seja de Allah. Então, se se abstiverem, nada de agressão, exceto contra os injustos. [Sagrado Alcorão 2:190-193]

A partir deste ponto, o alcance da jihad foi ampliado de ser puramente para a defesa contra o ataque direto a ser inclusivo de resistência contra aqueles que reprimem a fé e negam às pessoas a liberdade de escolher sua religião para si. Isso veio mais tarde, porque é legislado para os muçulmanos somente quando eles são capazes de fazê-lo. Em momentos de fraqueza, os muçulmanos só podem lutar contra ataques diretos.

Quanto à disseminação do Islam, isso deve ocorrer pacificamente ao divulgar a Mensagem com a palavra escrita e falada. Não há lugar para o uso de armas para obrigar as pessoas a aceitarem o Islam. As armas só podem ser puxadas contra aqueles que perseguem e oprimem os outros e impedem que eles sigam suas próprias consciências em questões de crença. Os muçulmanos não podem ficar de braços cruzados enquanto as pessoas estão sendo negado o direito de acreditar no Islam e suas vozes estão sendo esmagadas.

Este é o significado das palavras de Deus:

“E combatei-os, até que não mais haja sedição pela idolatria e que a religião seja de Allah.” [Sagrado Alcorão 2:193]

O Profeta ﷺ disse na sua carta ao governador romano Heracles:

“Eu convido-lhe a aceitar o Islam. Se você aceitar o Islam, você encontrará segurança. Se você aceitar o Islam, Deus lhe dará uma dupla recompensa. No entanto, se você se afastar, sobre si estará o pecado de seus súditos”. [Sahih Bukhari e Sahih Muslim]

Uma vez que as pessoas ouviram a Mensagem sem obstrução ou impedimento e a prova foi estabelecida sobre eles, então o dever dos muçulmanos é feito. Aqueles que desejam acreditar são livres para fazê-lo e aqueles que preferem não acreditar são igualmente livres para fazê-lo.

Mesmo quando os muçulmanos são obrigados a lutar e em seguida subjugar a terra, o seu dever posteriormente é estabelecer a lei de Deus na terra e defender a justiça para todas as pessoas, muçulmanos e não-muçulmanos. Não é seu o direito de coagir os assuntos deles para aceitarem o Islam contra sua vontade. Os não-muçulmanos sob o domínio muçulmano devem ser autorizados a permanecer em sua própria fé e devem ser autorizados a praticar os direitos de sua fé, embora se espere que respeitem as leis da terra.

Se o propósito da jihad tivesse sido forçar os incrédulos a aceitarem o Islam, o Profeta ﷺ nunca teria ordenado aos muçulmanos que abstivessem as hostilidades se o inimigo cedesse. Ele não teria proibido o assassinato de mulheres e crianças. No entanto, isso foi exatamente o que ele fez.

Durante uma batalha, o Profeta ﷺ viu pessoas reunidas. Ele despachou um homem para descobrir por que eles estavam reunidos. O homem voltou e disse: “Eles estão reunidos em torno de uma mulher morta”. Então o Mensageiro de Allah ﷺ disse:

“Ela não deveria ter sido atacada!” Khalid b. al-Walid estava liderando as forças, então ele enviou um homem para ele dizendo: “Diga a Khalid para não matar mulheres ou trabalhadores”. [Sunan Abu Dawud]

Nota: isso não deve ser mal interpretado para indicar que o profeta ﷺ cometeu o assassinato de mulheres (e crianças, anciãos, clérigos e outros inocentes) como é Haram (proibido) neste momento e tempo específicos. Na verdade, sempre foi Haram (proibido) e o profeta ﷺ foi apenas reafirmado o que já estava em vigor pela Sharia (Lei islâmica). [Y. Estes]

Portanto, mesmo no calor da batalha contra um inimigo hostil, as únicas pessoas que podem ser atacadas são aquelas que estão realmente participando da luta.

O propósito da jihad foi forçar os incrédulos a aceitarem o Islam, os califas guiados não teriam proibido o assassinato de sacerdotes e monges que se abstiveram de lutar. No entanto, isso é exatamente o que eles fizeram.

Quando o primeiro califa, Abu Bakr, enviou um exército à Síria para lutar contra as legiões romanas agressivas, ele saiu para lhes dar palavras de encorajamento. Ele disse: “Você vai encontrar um grupo de pessoas que se dedicaram à adoração de Deus (ou seja, monges), então deixe-os no que estão fazendo.”

Nós demonstramos que é um princípio no Islam que não há compulsão na religião e discutimos os objetivos da jihad. Agora, devemos nos atentar a alguns textos que muitas vezes são mal interpretados.

Um desses é o verso:

“E, quando os meses sagrados passarem, matai os idólatras, onde quer que os encontreis, e apanhai-os e sediai-os, e ficai a sua espreita, onde quer que estejam. Então, se se voltam arrependidos e cumprem a oração e concedem az-zakah, deixai-lhes livre o caminho. Por certo, Allah é Perdoador, Misericordiador. ” [Sagrado Alcorão 9:5]

Algumas pessoas, especialmente alguns críticos não-muçulmanos contemporâneos do Islam, tentaram afirmar que este versículo revoga o verso “Não haja compulsão na religião”. Eles argumentam que a generalidade desta afirmação implica que todos os incrédulos que se recusam a aceitar o Islam devem ser combatidos. Eles apoiam sua alegação, apontando que este versículo é um dos últimos versículos a serem revelados sobre a luta.

No entanto, este verso de modo algum revoga o princípio da Lei islâmica de que não existe compulsão na religião. Pode ser geral na redação, mas seu significado é bastante específico em função de outros versos do Alcorão que estão conectados com ele, bem como por uma série de Hadith pertinentes. Nós estaremos discutindo esses textos em breve.

As pessoas a que se refere esse versículo são os árabes pagãos que haviam travado guerra contra o Profeta ﷺ e que haviam quebrado sua aliança e tratados com ele. Este verso não está falando sobre os outros árabes pagãos que não quebraram seus tratados e tomam as armas contra os muçulmanos. Também definitivamente não está falando sobre os judeus ou cristãos, ou, aliás, os pagãos que moravam fora da Arábia.

Se olharmos os versos em Surah al-Tawbah imediatamente antes e depois da discussão, o contexto do verso fica claro.

Alguns versos antes do que estamos discutindo, Allah diz:

“Este é um rompimento de Allah e de Seu Mensageiro com os que, dentre os idólatras, vós pactuastes: Então, percorrei, livremente a terra durante quatro meses, e sabei que não escapareis do castigo de Allah, e que Allah ignominiará os renegadores da Fé.” [Sagrado Alcorão 9:1-2]

Nestes versículos vemos que os pagãos receberam uma anistia de quatro meses com a indicação de que quando os quatro meses se acabarem, as lutas retomariam. No entanto, um versículo seguinte isenta alguns deles da retomada das hostilidades. Lê:

“Exceto com os idólatras, com os quais pactuastes, em seguida, em nada eles vos faltaram e não auxiliaram a ninguém contra vós; então, completai o pacto com eles até seu termo. Por certo, Allah ama os piedosos.” [Sagrado Alcorão 9:4]

Então, quando Deus diz: “Mas, quando os meses proibidos tiverem passados, lute contra os pagãos, onde quer que os encontre, e cerque-os e esperem por eles em cada estratagema (de guerra) “, devemos saber que não é geral, já que o verso acima qualificou-se para se referir aos árabes pagãos que estavam realmente em guerra com o Profeta ﷺ e aqueles que quebraram seus convênios de paz.

Isso é mais enfatizado por alguns versos depois, onde Allah diz:

“Será que vós não combatereis um povo que violou seus juramentos e intentou fazer sair de Makkah o Mensageiro, e vos empreenderam o ataque, por vez primeira? “[Sagrado Alcorão 9:13]

Ibn al-Arabi, em seu comentário sobre o Alcorão, escreve: “É claro que o significado desse versículo é matar os pagãos que estão travando uma guerra contra você”. Ahkam al-Quran: 2/456

Allah também diz logo após o versículo em discussão:

“Como os idólatras poderiam ter pacto com Allah Seu Mensageiro? A não ser aqueles com quem pactuastes, junto a Sagrada Mesquita – Então, se estes são retos convosco, sede retos com eles. Por certo, Allah ama os piedosos.” [Sagrado Alcorão 9:7]

Outro texto erroneamente compreendido é o Hadith, onde o Profeta ﷺ disse: “Foi-me ordenado que lute contra as pessoas até que testemunhem que não há Deus senão Deus e que eu sou o Mensageiro de Deus. Se o fizerem, então seu sangue e sua riqueza são invioláveis, exceto na dispensação da justiça, e seus assuntos são com Deus. [Sahih Bukhari e Sahih Muslims]

Não há dúvidas sobre a autenticidade do Hadith, já que está registrado em Sahih al-Bukhari e Sahih Muslim. No entanto, este Hadith também não deve ser tomado em geral, fora do contexto e em completo desrespeito a todas as outras evidências textuais.O termo “pessoas” aqui não se refere a toda a humanidade. Ibn Taymiyah diz: “Refere-se a lutar contra aqueles que estão travando a guerra, a quem Deus nos permitiu lutar. Não se refere àqueles que têm uma aliança conosco com quem Deus nos ordena cumprir a nossa aliança”. Majmu al-Fatawa (19/20)

O Islam exige que os muçulmanos sejam justos com pessoas de outras religiões, sejam eles judeus, cristãos ou pagãos. O Islam nos chama a tratá-los gentilmente e tentar conquistar seus corações, desde que não tomem as armas contra nós. Allah diz:

“Allah não vos coíbe de serdes blandiciosos e equânimes para com os que não vos combateram, na religião, e não vos fizeram sair de vossos lares. Por certo, Allah ama os equânimes.” [Sagrado Alcorão 60:8]

Allah ordena aos muçulmanos que respeitem seus pais não-muçulmanos e que os coexistam neste mundo de uma maneira boa.

O Alcorão nos ordena argumente com eles da melhor maneira. Allah diz:

“E não discutais com os seguidores do livro senão da melhor maneira – exceto com os que, dentre eles, são injustos – e dizei: “Cremos no que foi descido para nós e no que fora descido para vós; e nosso Deus e vosso Deus é Um só. E para Ele somos moslimes.” [Sagrado Alcorão 29:46]

Nós somos ordenados a defender nossos convênios com os não-muçulmanos e não os trair ou transgredir contra eles. O Profeta ﷺ deu um severo aviso para nós contra a morte de um não-muçulmano com quem estamos em paz. Ele disse:

“Quem matar alguém com quem temos uma aliança não sentirá o cheiro do Paraíso”. [Sahih Muslim]

A fé de um muçulmano não é aceitável, a menos que ele acredite em todos os Profetas que foram enviados antes (a paz seja com todos). Allah diz:

“Ó vós que credes! Crede em Allah e em Seu Mensageiro e no Livro que Ele fez descer sobre Seu Mensageiro, e no Livro que Ele fizera descer antes. E quem renega a Allah e a Seus anjos e a Seus Livros e a Seus Mensageiros e ao Derradeiro Dia, com efeito, descaminhar-se-á com profundo descaminhar. ” [Sagrado Alcorão 4:136]

  • o que é a jihad no islam

    O que é Jihad?

    Guerra Santa Islâmica? Muçulmanos Matando Judeus e Cristãos? Isso é o que nos é dito ̵…
  • Jihad

    Jihad (Esforço), o Islã e o Terrorismo

    A imagem comum do islã sendo espalhado por um árabe nas costas de um camelo no deserto com…
  • Islã no Mundo

    O Islã se expandiu pela espada?

    É uma queixa comum entre alguns não-muçulmanos que o Islã não teria milhões de adeptos em …
Carregar mais artigos relacionados
Comentários estão fechados.

Verificar também

Cantora Irlandesa Sinéad O’Connor Agora Shuhada’ se Converte ao Islam

A famosa cantora irlandesa Sinéad O’Connor tem uma nova religião e um novo nome. A a…