A contribuição muçulmana para a ciência na astronomia

Os muçulmanos sempre tiveram um interesse especial pela astronomia. A lua e o sol são de vital importância na vida diária de cada muçulmano. Pela lua, os muçulmanos determinam o início e o fim dos meses em seu calendário lunar. Ao sol, os muçulmanos calculam os tempos de oração e jejum. É também por meio da astronomia que os muçulmanos podem determinar a direção precisa do Qiblah, para enfrentar a Ka’bah em Meca, durante a oração.

O calendário solar mais preciso, superior ao juliano, é o Jilali, concebido sob a supervisão de Umar Khayyam.

O Alcorão contém muitas referências à astronomia:

“E é Ele quem criou a noite eo dia, o sol ea lua, todos os [corpos celestes] numa órbita estão nadando”. [Sagrado Alcorão 21:33]

Essas referências, e as injunções para aprender, inspiraram os primeiros estudiosos muçulmanos a estudar os céus. Eles integraram as primeiras obras dos índios, persas e gregos em uma nova síntese.

O Almagest de Ptolomeu (o título que hoje conhecemos é realmente árabe) foi traduzido, estudado e criticado. Muitas estrelas novas foram descobertas, como vemos em seus nomes árabes – Algol, Deneb, Betelgeuse, Rigel, Aldebaran. Foram compiladas tabelas astronômicas, entre elas as mesas toledanas, que foram utilizadas por Copérnico, Tycho Brahe e Kepler.

Também foram compilados almanaques – outro termo árabe. Outros termos de árabe são zenith, nadir, Aledo, azimuth.

Os astrônomos muçulmanos foram os primeiros a estabelecer observatórios, como o construído em Mugharah por Hulagu, filho de Genghis Khan, na Pérsia, e inventaram instrumentos como o quadrante eo astrolábio, o que levou a avanços não só na astronomia mas na navegação oceânica, Contribuindo para a idade européia de exploração.

Geografia

Os estudiosos muçulmanos deram grande atenção à geografia. De fato, a grande preocupação dos muçulmanos com a geografia se originou com sua religião.

O Alcorão incentiva as pessoas a viajar por toda a terra para ver os sinais e padrões de Deus em toda parte. O Islã também exige que cada muçulmano tenha pelo menos conhecimento suficiente de geografia para saber a direção do Qiblah (a posição da Ka’bah em Makkah), a fim de orar cinco vezes por dia.

Os muçulmanos também estavam acostumados a fazer longas viagens para realizar o comércio, bem como para fazer o Hajj e difundir sua religião. O vasto império islâmico permitiu aos estudiosos-exploradores compilar grandes quantidades de informações geográficas e climáticas do Atlântico para o Pacífico.

Entre os nomes mais famosos no campo da geografia, mesmo no Ocidente, estão Ibn Khaldun e Ibn Batuta, famosos por seus relatos escritos de suas extensas explorações.

Em 1166, Al-Idrisi, conhecido estudioso muçulmano que serviu a corte siciliana, produziu mapas muito precisos, incluindo um mapa do mundo com todos os continentes e suas montanhas, rios e cidades famosas. Al-Muqdishi foi o primeiro geógrafo a produzir mapas precisos em cores.

A Espanha foi governada por muçulmanos sob a bandeira do Islã por mais de 700 anos. Por volta do século XV do calendário gregoriano, o governante do Islã estava sentado na Espanha e os muçulmanos haviam estabelecido centros de aprendizagem que comandavam o respeito por todo o mundo conhecido naquela época. Não houve “Idade das Trevas” como o resto da Europa experimentou para os muçulmanos na Espanha e aqueles que moravam lá com eles. Em janeiro de 1492 a Espanha muçulmana capitulou à Roma católica sob o Rei Fernando e a Rainha Isabel. Em julho do mesmo ano, os muçulmanos foram instrumental em ajudar a navegar Cristóvão Colombo para o sul do Caribe da Flórida.

Foi, além disso, com a ajuda dos navegadores muçulmanos e suas invenções que Magalhães foi capaz de atravessar o Cabo da Boa Esperança, e Da Gamma e Colombo tinham navegadores muçulmanos a bordo de seus navios.

Humanidade

Buscar o conhecimento é obrigatório no Islã para cada muçulmano, homem e mulher. As principais fontes do Islã, o Alcorão e a Sunnah (as tradições do Profeta Muhammad, Que a paz e bençãos estejam com ele), encorajam os muçulmanos a buscar conhecimento e ser estudiosos, uma vez que esta é a melhor maneira de as pessoas conhecerem Deus (Deus), apreciar Suas maravilhosas criações e ser gratos por eles.
Os muçulmanos sempre estiveram ansiosos para buscar conhecimento, tanto religioso quanto secular, e dentro de poucos anos da missão de Muhammad ﷺ, uma grande civilização surgiu e floresceu. O resultado é mostrado na expansão das universidades islâmicas; Al-Zaytunah em Tunis e Al-Azhar no Cairo remontam a mais de 1.000 anos e são as universidades existentes mais antigas do mundo. Na verdade, foram os modelos das primeiras universidades européias, como Bolonha, Heidelberg e Sorbonne. Mesmo a tampa e o vestido acadêmicos familiares originaram-se na universidade de Al-Azhar.

Os muçulmanos fizeram grandes avanços em muitos campos diferentes, como geografia, física, química, matemática, medicina, farmacologia, arquitetura, lingüística e astronomia. A álgebra e os algarismos arábicos foram introduzidos no mundo por estudiosos muçulmanos. O astrolábio, o quadrante e outros dispositivos e mapas de navegação foram desenvolvidos por estudiosos muçulmanos e desempenharam um papel importante no progresso mundial, sobretudo na era da exploração da Europa.

Estudantes muçulmanos estudaram as antigas civilizações da Grécia e Roma para a China e Índia. As obras de Aristóteles, Ptolomeu, Euclides e outros foram traduzidas para o árabe. Os estudiosos e cientistas muçulmanos então acrescentaram suas próprias idéias criativas, descobertas e invenções e finalmente transmitiram esse novo conhecimento à Europa, levando diretamente ao Renascimento. Muitos tratados científicos e médicos, tendo sido traduzidos para o latim, eram textos de referência e livros de referência até nos séculos XVII e XVIII.

Matemática

Os matemáticos muçulmanos se destacavam na geometria, como pode ser visto em suas artes gráficas, e foi o grande Al-Biruni (que também se destacou nos campos da história natural, até mesmo a geologia ea mineralogia) que estabeleceram a trigonometria como um ramo distinto da matemática. Outros matemáticos muçulmanos fizeram progressos significativos na teoria dos números.

É interessante notar que o Islã tão fortemente exorta a humanidade a estudar e explorar o universo. Por exemplo, o Sagrado Alcorão afirma:

“Nós (Allah) mostrar-vos-ão os nossos sinais / padrões nos horizontes / universo e em vós até que estejais convencidos de que a revelação é a verdade”. [Sagrado Alcorão 41:53]

Esse convite para explorar e pesquisar fez com que os muçulmanos se interessassem pela astronomia, matemática, química e outras ciências, e tiveram uma compreensão muito clara e firme das correspondências entre geometria, matemática e astronomia.

Os muçulmanos inventaram o símbolo para zero (a palavra “cifra” vem do sifr árabe), e organizaram os números no sistema decimal – base 10. Além disso, eles inventaram o símbolo para expressar uma quantidade desconhecida, isto é, variáveis ​​como x.

O primeiro grande matemático muçulmano, Al-Khawarizmi, inventou o assunto da álgebra (al-Jabr), que foi desenvolvido por outros, principalmente Umar Khayyam. O trabalho de Al-Khawarizmi, em tradução latina, trouxe os numerais árabes junto com a matemática para a Europa, através da Espanha. A palavra “algoritmo” é derivada de seu nome.

Medicina

No Islã, o corpo humano é uma fonte de apreço, como é criado por Deus Todo-Poderoso (Deus). Como funciona, como mantê-lo limpo e seguro, como prevenir doenças de atacá-lo ou curar essas doenças, foram questões importantes para os muçulmanos.

Ibn Sina (d. 1037), mais conhecido no Ocidente como Avicena, foi talvez o maior médico até a era moderna. Seu famoso livro, Al-Qanun fi al-Tibb, permaneceu um livro-texto padrão, mesmo na Europa, por mais de 700 anos. O trabalho de Ibn Sina ainda é estudado e construído no Oriente.

O próprio Profeta Muhammad ﷺ exortou as pessoas a “tomar remédios para suas doenças”, como as pessoas naquela época estavam relutantes em fazê-lo. Ele também disse:

“Deus não criou nenhuma doença, exceto que Ele estabeleceu para ela uma cura, exceto para a velhice.Quando o antídoto é aplicado, o paciente vai recuperar com a permissão de Deus”.

Desde que a religião não a proibiu, os eruditos muçulmanos usaram cadáveres humanos para estudar a anatomia ea fisiologia e para ajudar seus estudantes a compreender como o corpo funciona. Este estudo empírico permitiu a cirurgia para desenvolver muito rapidamente.

Al-Razi, conhecido no Ocidente como Rhazes, o famoso médico e cientista (cerca de 932) foi um dos maiores médicos do mundo na Idade Média. Ele enfatizou a observação empírica e medicina clínica e foi incomparável como um diagnosticador. Ele também escreveu um tratado sobre higiene nos hospitais. Abul-Qasim Az-Zahrawi era um cirurgião muito famoso no século XI, conhecido na Europa por seu trabalho, Concessão (Kitab al-Tasrif).

Outras contribuições significativas foram feitas em farmacologia, como Kitab al-Shifa ‘de Ibn Sina (Livro da Cura) e em saúde pública. Todas as grandes cidades do mundo islâmico tinham uma série de excelentes hospitais, alguns deles hospitais de ensino, e muitos deles eram especializados para doenças específicas, incluindo mental e emocional. Os otomanos eram particularmente notáveis ​​por sua construção de hospitais e pelo alto nível de higiene praticado neles.

Load More Related Articles
Comments are closed.

Check Also

Como Se Tornar Muçulmano?

Se tornar muçulmano é um processo simples. Você só precisa dizer: “Eu testemunho que…