Home Questões Allah Como Sabemos que Deus Existe

Como Sabemos que Deus Existe

0
como sabemos que deus existe

Estado Natural

Imagine uma noite você recebendo uma ligação do David, um dos amigos da velha escola que você costumava sentar ao lado nas lições de ciências. Você não fala com ele há anos, no entanto, o que passa em sua mente são as perguntas estranhas que ele costumava perguntar. Embora você o tenha achado agradável, você não era fã de suas idéias. O clássico, relutantemente você responde. Depois de uma breve troca de saudações, ele o convida para almoçar com ele. Você aceita com entusiasmo seu convite.

Durante o almoço, ele pergunta: “Posso dizer-lhe algo?” Você responde positivamente, e ele começa a expressar-lhe algo que você nunca ouviu antes, “Você sabe, o passado – como o que fez ontem, no ano passado, e todo o caminho de volta ao seu nascimento – realmente não aconteceu. É apenas uma ilusão na sua cabeça. Então, minha pergunta para você é, você acredita que o passado existe? ”

Como pessoa racional, você não concorda com sua afirmação e você responde: “Que evidências você tem para provar que o passado não existe?”

Agora rebobine a conversa e imagine que você passou toda a refeição tentando provar que o passado é algo que realmente aconteceu.

Qual cenário você prefere?

A razão pela qual você prefere o primeiro cenário é porque você – como o resto das pessoas razoáveis ​​lá fora – considera a realidade do passado como uma verdade auto-evidente. Como com todas as verdades auto-evidentes, se alguém as desafia, o ônus da prova é sobre quem as questionou.

Agora, aplicamos isso a um diálogo teórico-ateu.

Um teísta convida seu amigo ateu para o jantar, e durante a refeição o ateu afirma: “Você sabe, Deus não existe. Não há evidências de sua existência.” O teísta responde com uma barragem de diferentes argumentos para a existência de Deus. No entanto, o teísta adotou a estratégia certa?

Antes de apresentar um caso positivo para a existência de Deus, não devemos investigar por que questionar a existência de Deus é a questão padrão assumida? Não deveria ser: “Deus existe?”. Em vez disso, deve ser “quais razões devemos rejeitar a existência dele?”

Agora, não me interpretem mal. Eu acredito que temos muitos argumentos bons que sustentam a crença em Deus, mas o ponto que eu estou levantando aqui é que, se não houver argumentos contra a existência de Deus, então a posição padrão racional é a crença no Divino. Caso contrário, equivaleria a questionar a realidade do passado sem qualquer razão para fazê-lo. Nesta perspectiva, o ateísmo não é natural.

Verdades Evidentes

Consideramos que muitas crenças são auto-evidentemente verdadeiras. Isso significa que a crença pode ser descrita como natural ou verdade por padrão. Alguns deles incluem:

  • A uniformidade da natureza
  • A lei da causalidade
  • A realidade do passado
  • A validade do nosso raciocínio
  • A existência de outras mentes
  • A existência de um mundo externo

Quando alguém questiona essas verdades, não aceitamos cegamente suas conclusões, e geralmente respondemos: “Que evidências você tem para rejeitá-las?”.

Essas verdades são evidentes porque são caracterizadas por ser:

Universal: não é um produto de uma cultura específica; são interculturais.
Iletrado: Não baseado na transferência de informações. Eles não são adquiridos através de informações externas à sua introspecção e sentidos. Em outras palavras, eles não são aprendidos através da aquisição de conhecimento.
Natural: Formado devido ao funcionamento natural da psique humana.
Intuitivo: a interpretação mais fácil e simples do mundo.

Deus: Uma Verdade Evidente

Assim como a crença de que o passado era uma vez o presente, a existência de Deus também é uma verdade auto-evidente. O que significa “Deus” aqui é o conceito básico de um criador, uma causa pessoal ou designer não humano. Não se refere a uma concepção religiosa particular de uma deidade ou Deus. A discussão a seguir explica por que a crença nessa idéia básica de Deus é universal, inamovível, natural e intuitiva.

Universal

A idéia subjacente básica de um criador, ou uma causa sobrenatural para o universo, é transcultural. Não depende da cultura, mas a transcende, como a crença na causalidade e a existência de outras mentes. Por exemplo, a idéia de outras pessoas que têm mentes existe em todas as culturas, uma crença de pessoas mais racionais. A existência de Deus ou uma causa sobrenatural é uma crença universal e não o produto de uma cultura específica. Diferentes concepções de Deus são realizadas em várias culturas, mas isso não anula a idéia básica de uma causa pessoal criadora ou não humana.

Apesar do número de ateus no mundo, a crença em Deus é universal. Uma crença universal não significa que cada pessoa no planeta deve acreditar nele. Um consenso transcultural é evidência suficiente para sustentar a afirmação de que as pessoas acreditam universalmente na existência de Deus. Evidentemente, há muito mais teístas do que ateus no mundo, e esse tem sido o caso desde o início da história registrada.

Iletrado

As verdades auto-evidentes não precisam ser ensinadas ou aprendidas. Por exemplo, para saber o que é espaguete, eu preciso de informações sobre culinária ocidental e cultura italiana. Não consigo saber o que o espaguete é meramente refletindo sobre isso. Em contrapartida, você não exige nenhuma informação, seja por cultura ou educação, para conhecer um criador de coisas. Esta pode ser a razão pela qual os sociólogos e os antropólogos argumentam que, mesmo que as crianças ateias fiquem encalhadas em uma ilha deserta, eles acreditariam que algo criou a ilha. Nossa compreensão de Deus pode ser diferente, mas a crença subjacente em uma causa ou criador é baseada em nossas próprias reflexões.

Alguns ateus exclamam: “Deus não é diferente de acreditar no monstro de espaguetes”. Essa objeção é obviamente falsa. Verdades auto-evidentes não requerem informações externas. A ideia de que existem monstros, ou mesmo aquele espaguete, requer transferência de informações. Ninguém adquire conhecimento de monstros ou espaguetes por suas próprias intuições ou introspecção. Portanto, o monstro de espaguete não é uma verdade auto-evidente; assim, a comparação com Deus não pode ser feita.

Natural

A crença em algum tipo de designer sobrenatural ou causa é baseada no funcionamento natural da psique humana. O conceito de existência auto-evidente de Deus tem sido um tema de discussão acadêmica na tradição intelectual islâmica. O estudioso clássico, Ibn Taymiyyah, explicou que “a afirmação de um Criador está firmemente enraizada nos corações de todos os homens… é das necessidades vinculantes de sua criação…” Além da posição islâmica, uma grande variedade de pesquisas em vários campos apoia a conclusão de que devemos ver o mundo como criado e projetado.

Evidência Psicológica

O acadêmico, Olivera Petrovich, realizou pesquisas sobre as origens de coisas naturais, como plantas e animais, e descobriu que as crianças na pré-escola eram cerca de sete vezes mais propensos a dizer que Deus os criou em vez de adultos. Em suas entrevistas populares, Petrovich conclui que a crença em um deus não antropomórfico parece ser natural e que o ateísmo é uma posição cognitiva adquirida.

Evidência Sociológica e Antropológica

Pesquisa do professor Justin Barret em seu livro, Crentes Nascidos: a ciência da crença religiosa das crianças olhou o comportamento e as alegações das crianças. Ele concluiu que as crianças acreditavam no que ele chamava de “religião natural”. Esta é a idéia de que existe um ser pessoal que criou o universo inteiro. Que o Ser não pode ser humano – deve ser divino, sobrenatural:

“A pesquisa científica sobre as mentes em desenvolvimento das crianças e as crenças sobrenaturais sugerem que as crianças, de forma normal e rápida, adquirem mentes que facilitem a crença em agentes sobrenaturais. Particularmente no primeiro ano após o nascimento, as crianças distinguem entre agentes e não agentes, entendendo os agentes capazes de se moverem de maneiras propositais para perseguir objetivos. Eles estão interessados ​​em encontrar uma agência ao seu redor, mesmo com poucas evidências. Pouco depois do primeiro aniversário, os bebês parecem entender que os agentes, mas não as forças naturais ou os objetos comuns, podem criar uma ordem fora da desordem… Essa tendência para ver a função e o propósito, além de entender que o propósito e a ordem provêm de seres espirituais, faz crianças susceptíveis de ver fenômenos naturais como criados intencionalmente. Quem é o Criador? As crianças sabem que as pessoas não são bons candidatos. Deve ter sido um deus… os filhos nascem crentes do que eu chamo de religião natural…”

Intuitivo

A existência de um criador é a interpretação mais intuitiva do mundo. É fácil de entender sem instrução explícita. Os seres humanos têm uma afinidade para atribuir causas às coisas o tempo todo, e todo o cosmos é uma dessas coisas. Nem todas as intuições são verdadeiras, mas são necessárias evidências para que alguém se afaste de suas intuições iniciais sobre as coisas. Por exemplo, quando alguém percebe o design e a ordem no universo, a conclusão intuitiva é que existe um designer. Para que essa pessoa mude de idéia, são necessárias evidências válidas para justificar a visão contra intuitiva.

A crença em um deus, criador, designer ou causa sobrenatural é uma verdade auto-evidente. É universal, inamovível, natural e intuitivo. Nesta luz, a pergunta certa a perguntar não é: Deus existe? A pergunta certa deve ser: Por que você rejeita a existência de Deus? O ônus da prova é sobre alguém que desafia uma verdade auto-evidente. Quando alguém afirma que o passado é uma ilusão ou que outras pessoas não têm mentes, ele ou ela teria que assumir o ônus da prova. Os ateus não são diferentes. Eles têm que justificar sua rejeição de uma causa ou criador para o universo.

A Disposição Inata: Fitrah

Deus como uma verdade auto-evidente refere-se ao conceito teológico islâmico a respeito, o que é referido em árabe como, o fitrah. Teologicamente, o fitrah é o estado natural ou a disposição inata do ser humano que foi criado por Deus com um conhecimento inato d’Ele e com a afinidade de adorar o Divino.

Isto baseia-se na afirmação autêntica da paz do Profeta Muhammad (Que a paz e bênçãos estejam com ele), afirma:

“Cada criança nasce em um estado de fitrah (disposição natural). Então, seus pais fazem dele um judeu, um cristão ou um feiticeiro…”

Esta tradição profética ensina que todo ser humano tem essa disposição inata, mas influências externas, como a parentalidade – e, por extensão, a sociedade – mudam o ser humano para algo que não se baseia no conhecimento inato de Deus.

Apesar de o fitrah ser um estado natural, pode ser “velado” ou “estragado” por influências externas. Essas influências, como indicado pela tradição profética acima, podem incluir a educação, a sociedade e a pressão dos pais. Essas influências podem obscurecer o ajuste e impedir que ele reconheça a verdade. Quando o estado natural está nublado com outras influências, a pessoa pode exigir outras evidências para a existência de Deus.

Do ponto de vista da epistemologia islâmica, é importante saber que a convicção na existência de Deus não se infere exclusivamente de algum tipo de evidência indutiva, dedutiva, filosófica ou científica. Em vez disso, essa evidência desperta e desmorona o ajuste para reconhecer o conhecimento inato de Deus. A verdade da existência de Deus e o fato de que Ele é digno de nossa adoração já é conhecida pelo método. No entanto, o fitrah pode ser obscurecido pela socialização e outras influências externas. Portanto, o papel dos argumentos racionais é “lembrar” a verdade que já conhecemos.

Para ilustrar este ponto, imagine que eu estava limpando o lapartamento da minha mãe. À medida que eu movo velhos sacos ao redor e jogo os objetos indesejados, acho meu brinquedo favorito com o qual costumava brincar quando tinha 5 anos. O que acontece comigo neste momento é que eu me lembro de algo que já conheci. Na minha opinião, penso: “Ah, sim. Lembro-me desse brinquedo. Era o meu favorito.” A verdade de acreditar em Deus e o fato de que Ele é digno de nossa adoração não é diferente. Os argumentos racionais servem como despertadores espirituais e intelectuais para perceber o conhecimento que está contido em nosso ajuste.

Outras formas pelas quais o fitrah pode ser desinflado inclui introspecção, experiências espirituais, reflexão e ponderação. O Sagrado Alcorão promove o questionamento e o pensamento profundo sobre as coisas:

“…Assim, aclaramos os sinais a um povo que reflete.” [Sagrado Alcorão 10:24]

“…Por certo, há nisso sinais para um povo que reflete.” [Sagrado Alcorão 45:13]

A epistemologia islâmica vê os argumentos racionais como um meio e não um fim. É por isso que é muito importante notar que a orientação só vem de Deus, e nenhuma quantidade de evidência racional pode convencer o coração de alguém a perceber a verdade do Islã. Deus deixa isso muito claro:

Por certo que não és tu que orientais a quem queres; contudo, Deus orienta a quem Lhe apraz, porque conhece melhor do que ninguém os encaminhados. [Sagrado Alcorão 28:56]

A orientação é uma questão espiritual que se baseia na misericórdia, conhecimento e sabedoria de Deus. Se Deus quiser que alguém seja guiado por argumentos racionais, então nada impedirá essa pessoa de aceitar a verdade. No entanto, se Deus decidir que alguém não merece orientação – com base em uma sabedoria divina -, independentemente de quantos argumentos convincentes sejam apresentados, essa pessoa nunca aceitará a verdade.

Para concluir, a crença na existência de Deus é uma verdade evidente. Como com todas as verdades auto-evidentes, quando alguém as desafia, o ônus da prova é sobre elas. A única maneira pela qual a crença em Deus pode ser minada se houver alguma evidência positiva para a inexistência do Divino. No entanto, os poucos argumentos que os ateus têm contra a existência de Deus são fracos e filosoficamente superficiais. A verdade evidente de Deus foi abordada no Sagrado Alcorão há mais de 1.400 anos:

“…Há dúvida acerca de Allah, O Criador dos céus e da terra?…” [Sagrado Alcorão 14:10]

Razões Para Acreditar

Imagine que você acordou uma manhã e caminhou até a cozinha para preparar seu café da manhã. Quando você se aproximou da mesa da cozinha, você encontrou dois pedaços de torrada com o seu chocolate favorito espalhado por eles. No entanto, a propagação foi organizada nas palavras “Eu te amo”. Você está surpreso, mas por quê? Você acha que os pedaços de pão de alguma forma conseguiram torrar-se sozinhos, e a propagação do chocolate conseguiu se organizar de tal maneira, tudo por acaso? Ou você assume que seu ente querido decidiu acordar um pouco mais cedo e preparar a torrada com antecedência? Todo ser humano racional neste planeta negará que aconteceu sem qualquer intenção ou causa; A chance cega não é suficiente como uma explicação.

O universo não é diferente. Possui uma arquitetura cósmica ordenada e precisa que aponta para um design proposital. O universo tem o conjunto certo de leis para permitir a existência da vida, e é ordenado de forma particular para permitir que os seres humanos floresçam. Se as leis fossem diferentes ou o universo não contivesse um arranjo sensível à vida de estrelas, planetas e outras coisas físicas de tamanhos variados, você não estaria aqui lendo este livro. Na verdade, não haveria vida humana.

Considere outra analogia. Imagine que você é um astronauta que trabalha para a NASA. O ano é 2070, e você será o primeiro ser humano a visitar um planeta terrestre em outra galáxia. Sua missão é procurar por vida. Você finalmente aterrissa e, ao sair da sua nave espacial, não vê nada além de rochas. No entanto, ao continuar suas viagens, você eventualmente encontra algo que parece uma enorme estufa. Dentro disso, você pode ver criaturas humanas caminhando, comendo, jogando, trabalhando e vivendo vida produtiva normal. Você também percebe plantas, árvores e outras vegetações. À medida que você aborda a estrutura, embaixadores amigáveis ​o ​recebem e o convidam para entrar. Durante sua reunião inicial com esses “alienígenas” amigáveis, eles lhe dizem que a estrutura tem os níveis certos de oxigênio.

Também possui quantidades adequadas de água e compostos químicos para facilitar a produção de alimentos e vegetação viva. Surpreendido pelo que você ouve, você pergunta-lhes como conseguiram criar um sistema ecológico que funcione plenamente e que sustente a vida. Um dos embaixadores responde: “Aconteceu por acaso”.

Imediatamente, sua mente começa a compreender as implicações de uma afirmação tão absurda. A única explicação possível para a estrutura é que foi projetada por um ser inteligente, não por algum processo físico aleatório. À medida que esses pensamentos atravessam sua mente, outro embaixador interrompe e diz: “Ele está apenas brincando”. Todos riem. Se uma pequena estrutura ecológica em um planeta rochoso evoca a conclusão de que deve ter sido projetada, imagine o que devemos concluir sobre todo o universo.

O universo e tudo dentro dele obedecem as leis físicas. Se essas leis fossem diferentes, não haveria vida consciente complexa. O universo contém bilhões de estrelas e galáxias. Entre as incontáveis ​​galáxias ocorrem inúmeros planetas. Um desses planetas é a nossa casa, a Terra. Nosso planeta contém trilhões de criaturas conscientes. Criaturas como nós que podem pensar, planejar e refletir.

A conclusão inevitável de tudo isso é simples, mas profunda: deve haver um criador por trás de todo esse design. Tudo ao nosso redor aponta para Deus. Refletindo sobre toda essa criação deve-se criar uma imensa sensação de admiração e gratidão a Deus.

“Por certo, na criação dos céus e da terra, e na alternância da noite e do dia, há sinais para os dotados de discernimento,” [Sagrado Alcorão 3:190]

Load More Related Articles
Comments are closed.

Check Also

Como Se Tornar Muçulmano?

Se tornar muçulmano é um processo simples. Você só precisa dizer: “Eu testemunho que…